quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Aniversários em Outubro


Durante este mês celebram o seu aniversário os
nossos Amigos
NOME                                                                 Dia
  Elias Dias da Silva                                                         4
  António Alves Farinha                                                    6
  Víctor Manuel de Jesus Frazão                                         8
  Ricardo Quadrado Vicente                                             12
  Francisco da Silva António                                             12
  António Pereira da Costa                                               13
  Álvaro Amaral Milagre                                                  15
  Carlos Manuel Morais Pina                                             17
  Leonel Castelão Ribeiro                                                 18
  Manuel Evangelista Costa Pinho                                       26
  Manuel Gomes Pereira                                                  29
  Jorge Fernandes Lourenço                                            31
Para todos os nossos parabéns e os votos de um futuro cheio de 

Bençãos de Deus.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

"Democracia e Ética"



«Vivemos numa democracia e num estado de direito». Este é o enunciado que tão assertiva e repetidamente pulula na boca dos políticos e nas parangonas da comunicação social como se se tratasse de um postulado ou axioma. Porém, conhecendo a realidade social, económica, cultural e política, a frase deixa transparecer laivos de perversidade e suscita risos escarninhos a quem conhece o “modus vivendi” da maioria dos portugueses e a sua estruturação social. Além disso, a afirmação, tantas vezes pronunciada em tom laudatório como se tivéssemos o sistema político mais avançado, veicula, na sua essência e de forma sub-reptícia, a imposição do status quo, o constrangimento do livre arbítrio, calando e apoucando as vozes dissonantes sob a aparência do superior interesse coletivo.
Portugal tem uma democracia à la carte, corporizada na proporção aritmética dos diferentes estratos sociais e dos seus reais interesses mais ou menos obscuros e egoístas: saúde, educação, justiça, mobilidade social e honorabilidade não radicam na equidade, no mérito pessoal nem tão pouco na liberdade /opção de escolha. Para se poder escolher é preciso ser livre. E quando agregados familiares auferem duzentos e poucos euros de rendimento mensal não há liberdade, há tirania e, pior que tudo, humilhação. Em complementaridade, uma considerável faixa da população é pouco letrada e analfabeta, à qual impuseram muralhas invisíveis e intransponíveis que lhe cerceia a liberdade e a condena a todas as formas de miséria e de alienação, numa palavra, à sub-humanidade. Já Marcus Tullius Cícero (séc. I a. C.) afirmava que «a ignorância é a maior enfermidade do ser humano». É, portanto, tarefa primordial de qualquer democracia resgatar as populações do obscurantismo, a não ser que haja razões mais obscuras e incompreensivas.
Pensamos também, muito particularmente, nas crianças a quem roubaram e roubam a infância e as gargalhadas inocentes em nome de escândalos financeiros e outras formas de corrupção e de ilícitos que amaldiçoam a vida de mais de dois milhões de concidadãos, além sacrificar os contribuintes. Apesar de todas as malfeitorias da Banca aos depositantes e ao país, esta revela-se um sorvedouro insaciável de recursos financeiros enquanto nas esquinas das cidades os mendigos, de rostos esquálidos e um olhar perdido pela desesperança, estendem as mãos ao mundo que os inventou, rejeitou e catalogou de marginais. Não, não é inépcia dos indigentes. Trata-se, sim, de desumanidade, de reduzir o ser humano a um subproduto de uma teoria económica qualquer. É impossível acreditar numa democracia ostracizante em que, nos últimos anos, as pessoas situadas abaixo do limiar da pobreza perderam 25% do poder de compra e os mais ricos, os do topo da pirâmide, ficaram incólumes; em cada quatro crianças portuguesas, uma vive abaixo do limiar da pobreza; os jovens com menos de 25 anos tiveram uma perda de 29% nos seus rendimentos. (Cf., estudo da Fundação Manuel dos Santos, Portugal Desigual, set. 2016).
Na verdade, nas duas últimas décadas, tem-se vindo a assistir à perda de valores éticos nas estruturas institucionais e empresariais, tendendo estas a anular pela abstração o sentido e o respeito pela pessoa na sua individualidade e dignidade. O ser humano é cada vez mais “coisificado” e, por essa razão, o paradigma de sucesso resume-se ao ter e ao parecer. É indiferente esmagar um povo desde que isso contribua para avolumar contas bancárias num offshore inimaginável, bem secreto. A ostentação, a arrogância e a futilidade emergentes desse sucesso são a mão do materialismo desumanizado e do poder iníquo que esmaga os vulneráveis e oprime pela exclusão aqueles que, pelas suas convicções humanistas ou cristãs, ousam discordar. Jamais se poderá omitir o homem e a sua humanidade, a sua condição de ser e devir ontológico, por isso, cada vez é mais atual a citação de Esopo (séc. VII a. C.): «a exibição exterior é um pobre substituto para o valor interior».
Uma questão deveras preocupante prende-se com a educação da juventude. Desde cedo se começa a incutir nos jovens a obrigação absoluta de vencer, chegar ao topo, alcançar o tão almejado sucesso. Para isso vale tudo: bullying profissional, intrigas, assédio, calúnias e outros comportamentos inaceitáveis. O importante é o investimento na hipocrisia, no cinismo, na bajulação e na subserviência desde que daí resultem benefícios pessoais de natureza diversa. Enfim, anular o outro em nome do sucesso pessoal faz parte do quotidiano. É crucial defender acérrima e cinicamente as ideias e interesses dos lobbies, e aceitar o espartilho dos cânones da abjeção e ter dentro e fora das organizações comportamentos politicamente corretos, isto é, pactuar com a ortodoxia do opróbrio desde que isso represente mais um degrau rumo ao famigerado sucesso. Politicamente correto é sinónimo de hipocrisia e de sociedade desumanizada. O mal maior não é isso acontecer, é assistirmos e deixarmos isso acontecer.
Este unanimismo e outros ismos são devastadores para as organizações humanas e para a vida em sociedade. Mata a dignidade e criatividade individual, destrói a importância das genuínas interações humanas e o valor da verdadeira convivência e amizade, subtraindo cada vez mais o respeito pelo outro. Não tenhamos dúvidas, está instituída na nossa sociedade uma censura, uma atitude persecutória que condiciona a liberdade de expressão e de ação, sobretudo para aqueles que ousam denunciar a subversão dos valores e dos interesses instituídos.
É urgente refletir sobre a realidade humana concreta dos portugueses e ser politicamente incorreto e, num clamor, erguer a voz. Cristo foi politicamente incorreto porque afrontou os interesses do Império Romano, expulsou os vendilhões do templo e causou incómodos nas consciências que perduram no tempo; politicamente incorreto é o Papa Francisco ao denunciar as injustiças e desigualdades sociais e fazer a apologia da simplicidade; politicamente incorreto foi o nosso frei João Domingos que defendeu a dignidade e os direitos do povo angolano com uma determinação inusitada; politicamente incorretos são todas as mulheres e homens que se erguem em nome da humanidade. Só uma perplexidade: é o silêncio ensurdecedor, incómodo e cúmplice daqueles que se mantêm calados e que por dever, visibilidade, influência política, social ou religiosa, deveriam ser os fiéis depositários dos valores da condição humana. «Jamais se é grande se não for justo», Boileau.
É preciso redescobrir as referências dos clássicos greco-latinos e dos grandes humanistas e instaurar de novo a dignidade do ser humano. Leiamos Cícero, Séneca, Erasmo de Roterdão e, sobretudo, De Hominis Dignitate, de Giovanni Pico della Mirandola, cuja leitura deveria ser obrigatória para quem exerça funções públicas. Seguramente as folhas dos programas de Excel teriam menos importância.
Quer queiramos ou não, o mundo ocidental assimilou e aculturou a herança dos valores das civilizações grega e romana assim como do cristianismo. Por isso, negligenciar, não incorporar ou negar a importância destes três pilares na nossa formação, enquanto sociedade e cidadãos, significa não compreender a linearidade da nossa existência. Estes valores são constantemente equacionados, ainda que de forma inconsciente, consubstanciando inquestionavelmente a nossa grande matriz civilizacional mesmo para todos aqueles que se assumem como ateus. Pensar na democracia como um sistema político sem compromissos morais e éticos, que não atribua o primado da sua ação à dignificação do ser humano é ignominioso
Fernando Maria Faustino


(O artigo está escrito nos termos do Novo Acordo Ortográfico)

domingo, 25 de setembro de 2016

A BÍBLIA AINDA VALERÁ A PENA?

A BÍBLIA AINDA VALERÁ A PENA?
Frei Bento Domingues, o. p.

1. Ao longo destas crónicas, referi, muitas vezes, os trabalhos de exegetas de língua portuguesa ou não, que vão multiplicando investigações, cursos e livros de introdução à leitura da Bíblia. Encadernada num só volume, pode esconder a realidade de uma biblioteca de diversos autores, estilos e géneros literários muito diferentes, construída ao longo de vários séculos da antiguidade judaica e cristã. Lida e interpretada por judeus e cristãos em contextos culturais e religiosos muito diferentes, não é uma literatura morta, como a ignorância supõe.
 A minha preferência, quanto às obras de introdução, vai para um precioso livro de J. T. Barrera[1] que oferece uma visão abrangente da investigação sobre a história da Bíblia. Segundo o autor, o seu conteúdo foi amadurecendo lentamente na preparação de cursos de “Literatura do Antigo Testamento”, ministrados no Departamento de Hebraico e Aramaico da Universidade Complutense de Madrid. Incorpora também materiais de trabalho em vários cursos de Doutoramento sobre “Os Manuscritos do Mar Morto”. É um livro-texto com características de uma obra enciclopédica em muitos casos e de ensaio científico noutros. Avisa: o enciclopédico nunca pode ser exaustivo e o ensaio científico nunca é definitivo. Uma obra aberta.
De André Paul[2], foi traduzida para português a história da génese cultural da Bíblia. O autor descreve o percurso simultaneamente religioso, literário e político que fez da Bíblia a verdadeira criação cultural do Ocidente.
A relação portuguesa com a tradução da Bíblia não é gloriosa. Segundo Carolina Michaëlis de Vasconcelos (1851-1925), acerca do período medieval, a literatura portuguesa, em matéria de traduções bíblicas, é de uma pobreza desesperadora. Na Wikipédia, dispomos de indicações da história das traduções da Bíblia em língua portuguesa.
O documento da Comissão Pontifícia Bíblica sobre a interpretação da Bíblia na Igreja (1993), embora relembre a identidade teológica da exegese católica, deixou, finalmente, a pesquisa científica à solta. Os textos não nasceram em nenhuma fábrica divina. Até as referências postas na boca de Deus espelham o que há de melhor e pior da condição humana. Não admira que surjam como escolas de santidade e de crime.   
2. Frederico Lourenço é um autor premiado e conhecido como ficcionista, ensaísta, poeta e tradutor. Depois de dez anos na Universidade de Lisboa, é, actualmente, professor na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Foi celebrada a tradução da Ilíada e a Odisseia de Homero, assim como um volume de poesia grega. Em 2015, publicou um conjunto de leituras da Bíblia[3].
“Para que fique bem claro: (…) Não sendo, todavia, de um ponto de vista religioso (cristão ou outro) que aqui escrevo sobre a Bíblia, também não escrevo sob um prisma irreligioso: sou sensível (diria mesmo hipersensível) ao apelo do Divino. (…) Não tenho nenhum problema em afirmar que, pessoalmente, considero Jesus de Nazaré a figura mais admirável de toda a história da Humanidade”[4].
3. Frederico Lourenço resolveu entrar numa aventura admirável: traduzir a Bíblia grega, Antigo e Novo Testamentos, para português. Preparação não lhe falta nem na cultura grega nem na nossa. A avaliação do resultado pertence a qualquer leitor, tanto mais que o texto não é bilingue. Será interessante ver como vai ser recebido pelos exegetas. Em ambos os casos importa conhecer o seu ponto de vista e os critérios em que assenta o seu trabalho, explicitados na introdução. O objectivo é dar a conhecer o texto bíblico. Até aí, nada de novo. No entanto, procura que, tanto a tradução como os comentários para a compreensão do texto grego, não sejam de carácter doutrinário, confessional e apologético.
O volume I desta Bíblia é constituído pelos 4 Evangelhos. Vai da foz para a nascente. Confessa que temos de nos dar por felizes pelo facto destes textos maravilhosos terem sobrevivido a qualquer tentação de dar ao cristianismo um Evangelho único, artificialmente purgado de problemas, de frases e de palavras difíceis. São justamente as palavras difíceis (e muitas vezes intraduzíveis) que nos obrigam a pensar no que significou e significa ainda a extraordinária mensagem de Jesus, assim transmitida de modo tão desafiante para o crente e como para o não crente. São quatro prismas diversos. Se há verdade que todos os dias nos é confirmada pela observação objectiva da realidade humana é que, no cerne do seu valor ético, a mensagem de Jesus continua tão válida, tão certeira e tão urgente como era há dois mil anos.
A Bíblia pode ser lida de muitas maneiras. A pior de todas é não ser lida.
25.09.2016

in Jornal "Público"

[1] Julio Trebolle Barrera, A Bíblia Judaica e a Bíblia cristã. Introdução à história da Bíblia, Petrópolis, Vozes, 19992.
[2] André Paul, A Bíblia e o Ocidente. Da biblioteca de Alexandria à cultura europeia, Instituto Piaget, 2014.
[3] Frederico Lourenço, O Livro Aberto: Leituras da Bíblia, Lisboa, Cotovia, 2015.
[4] Ib, p.13-14.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

SERÁ A FLORESTA UMA QUESTÃO PASTORAL? Frei Bento Domingues O.P



1. Durante este verão, as televisões mostraram Portugal como um país condenado ao inferno. O que sobrou de matas e florestas ficará para o fogo do próximo ano. Teremos um inverno para esquecer o que aconteceu e uma primavera para nos explicarem que estão a ser tomadas todas as medidas possíveis de prevenção e com instrumentos terrestres e aéreos para dominar eventuais incêndios. Ficaremos a saber quantos milhões foram disponibilizados para a prevenção e para o combate às chamas.
Por outro lado, será repetido que nem os privados nem o Estado estão a cumprir as suas obrigações: limpar as suas matas, abrir linhas de corta-fogo, caminhos de acesso a viaturas de socorros e disponibilizar meios de vigilância permanente.
Os interessados apenas na lógica comercial, perante uma eventual nova reflorestação, tentarão mostrar que as espécies que ardem melhor não podem ser discriminadas, pois as outras levam muito tempo a crescer. Precisamos de soluções rápidas e competitivas, mais importantes do que as vaporosas teorias ambientais.
 Garantida estará pois a continuação das conhecidas retóricas de ataque, defesa e subterfúgios. A selecção de bodes expiatórios será suficiente para tornar a sociedade civil dispensada de se organizar e de se responsabilizar pela “casa comum” do povo português.
2. Já esgotei a paciência para a conversa de que o português tem grande capacidade para o desenrasque repentino, mas pouca paciência para planear, organizar, ser rigoroso e persistente na execução dos seus projectos. A pendular exaltação megalómana e a autoflagelação colectiva precisam de ser tratadas como doenças e não como a nossa mais respeitável característica antropológica.
Com esta preocupação estava a escrever uma proposta que suspendo para outro parágrafo, ao deparar com a notícia de que o Departamento de Ciências Florestais e Arquitetura Paisagista da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), conjuntamente com a Ordem dos Engenheiros iniciou, na passada 3ª feira, no Teatro de Vila Real, um ciclo de debates subordinado ao tema A floresta portuguesa em causa. Não é preciso dizer que este é um dos caminhos da cura. Não é exaltante nem deprimente. É o alargamento realista de um trabalho para continuar.
A mesma notícia[1] informava que apenas 23 alunos escolheram engenharia florestal. A imagem criada na sociedade fez da floresta uma causa perdida e não um convite a uma carreira académica e profissional aliciante. É urgente reagir e criar, através de todos os canais possíveis, o sentimento e a convicção colectiva de que temos a obrigação de zelar pela causa mais comum a todo o país. A qualidade do ambiente não pode ser encarada como luxo de um condomínio privado. É a própria respiração da nossa terra. Não deveria ser um dos principais assuntos da educação, desde o jardim-de-infância até à universidade? Não será também uma questão religiosa? Saber dos frutos da terra apenas pelo supermercado será suficiente? Será que os canais de televisão estão interessados em criar repúdio pelos incêndios ou em transmitir espectáculos para pirómanos? Não haverá pedagogia televisiva capaz de suscitar paixão pela natureza? Porque não mostrar o silêncio da natureza destruída?
3. O Papa Francisco fez do cuidado pela casa comum uma questão religiosa, um desafio ecuménico e a tarefa pastoral de uma Igreja de saída das sacristias.
Na encíclica Laudato Si evocou a voz dos seus predecessores, a começar por João XXIII, que recolheram a reflexão de inúmeros cientistas, filósofos, teólogos e organizações sociais. Não esqueceu as outras Igrejas, comunidades cristãs e religiões. Destacou, de forma especial, a palavra incisiva do Patriarca ecuménico Bartolomeu. Cada um tem de se arrepender pelo modo como maltrata o planeta.  De modo firme e corajoso, intimou-nos a reconhecer os pecados contra a criação. Quando os seres humanos destroem a biodiversidade, comprometem a integridade da terra, contribuem para a mudança climática, desnudam a terra das suas florestas naturais, destruindo as suas zonas húmidas e contaminando as águas, o solo, o ar... tudo isso é pecado, o nosso pecado. Porque um crime contra a natureza é um crime contra nós mesmos e um pecado contra Deus.
Surge então uma pergunta inevitável: como e até que ponto a Laudato Si interpelou a pastoral da Igreja portuguesa? Quais são os guiões elaborados para que, a nível das paróquias, dioceses, movimentos, congregações religiosas, Conferência Episcopal, se construa uma consciência comum, católica, perante as catástrofes ecológicas? Mais, que medidas foram tomadas para que o respeito pela natureza faça parte da educação cristã? Que consciência ecológica é desenvolvida, em todas as faculdades da Universidade Católica? Que lugar ocupa a Laudato Si nas celebrações, nas homilias, nas catequeses?
A Igreja católica, embora de forma diferenciada, está presente em todo o país. Não é um privilégio. É uma missão ecuménica, inter-religiosa e social em relação ao futuro do respeito pela natureza em Portugal.

20.09.2016




[1] Jornal Público 14.09.2016

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

12º ENCONTRO ANUAL


CARÍSSIMOS

O NOSSO ENCONTRO ANUAL É JÁ NO PRÓXIMO

DIA 8 DE OUTUBRO

A COMISSÃO ORGANIZADORA APELA AOS  MAIS 

DISTRAÍDOS PARA  NÃO DESCUIDAREM A SUA 

INSCRIÇÃO



domingo, 11 de setembro de 2016

QUE FAZER DA MISSA?



                                                                                              Frei Bento Domingues, O.P.
1. Nasci e cresci numa aldeia onde toda a gente ia à Missa. Era obrigatória: faltar era pecado e matéria de confissão. Era dita em latim e de costas para o povo, com os homens à frente e as mulheres e as crianças atrás. Durante a homilia, os homens saíam para fumar um cigarrito. Da Missa, aproveitava-se a reza do terço. O padre, depois dos avisos, em português, voltava ao latim: ite missa est. Missão cumprida?
A palavra missa vem do verbo latino mittere, enviar, mandar, dispensar, mas também missão e míssil. Seja como for, o sentido das palavras depende do seu uso.
A própria expressão Ite missa est já existia no latim profano antes de passar para a liturgia cristã. Como diz Ávito de Viena (470-518), essa fórmula era usada para terminar as audiências do paço e dos tribunais de justiça: “Nas igrejas e nas cortes do imperador e do prefeito dizia-se missa est quando o povo era despedido da audiência.”
Nos primórdios do Cristianismo, o culto era dividido em duas partes: a primeira, composta de orações, leituras, cânticos e a pregação, era aberta a todos; a segunda, a eucaristia propriamente dita, era reservada aos baptizados. Por isso, no final da 1ª parte, os catecúmenos também eram despedidos com o Ite, missa est, "Ide, a vossa celebração terminou". É o que sugere Santo Agostinho: “Depois do sermão faz-se a missa, isto é, a despedida ou envio dos catecúmenos”. Pouco a pouco, a palavra foi-se aplicando ao conjunto da celebração. Já no século IV, na Peregrinatio Sylviae, é dito que “O sacerdote abençoa os fiéis e faz-se a missa, isto é, a despedida ou o envio”. Actualmente, em português, depois da bênção final, a despedida é feita com a fórmula: Ide em paz e que o Senhor vos acompanhe (Ite, missa est).
Essa informação não me trouxe nenhuma alegria. Por outro lado, hoje, a Missa já não é em latim nem de costas para o povo, mas continua aborrecida e sem ter em conta a realidade daqueles que a procuram.
2. Repetiram-me, todo este Verão, que a Missa precisa de uma reforma profunda. Algumas queixas eram bem identificadas: três leituras e um salmo muito longe do nosso tempo, remetendo-nos sempre para um passado, que já não nos diz nada; as chamadas orações eucarísticas são pouco variadas e parecem existir apenas para enquadrar a chamada consagração do pão e do vinho, a matéria da comunhão, e um enigmático pedido de Jesus, fazei isto em memória de Mim.
Será que esses reformadores querem agora Missas à la carte?
A situação real é muito mais grave do que estas amostras de descontentamento podem sugerir.
Repetimos, em todas as Missas, o pedido de Jesus. Essa repetição cumpre um desejo ou repete uma traição?
3. Será Jesus que precisa que nos lembremos dele ou seremos nós que, sem olhar para o seu percurso, nos tornamos incapazes de encontrar o nosso próprio caminho? Será Cristo que precisa da celebração da Eucaristia ou somos nós? Ele pede-nos uma fidelidade a um ritual ou exige que continuemos, com Ele, o Evangelho da Alegria para os dias de hoje? A missa é um encontro com o passado ou uma fonte de desassossego do nosso presente? Um despertador ou um calmante? Não celebramos a Eucaristia porque ela faça falta a Jesus, mas porque nos é fundamental.
Os liturgistas garantiram, nas celebrações da Eucaristia, a presença da memória do Antigo e do Novo Testamento, mediante uma distribuição abundante das suas leituras. O passado não falta. Mas a Eucaristia é só uma memória do passado? Um acontecimento do passado? Uma visita a esse grande museu literário?
Onde estão as narrativas da vida dos que participam nas celebrações? Essas são as páginas brancas do Evangelho de que falou o Papa Francisco na sua viagem apostólica à Polónia, no encontro com os sacerdotes, religiosos e seminaristas. Só vale a pena irmos à Missa para sairmos modificados.
Uma Igreja pode estar cheia de gente, sem gente. Como poderá acontecer a transfiguração da vida das pessoas da comunidade cristã se as pessoas não estão lá com a realidade complexa da sua vida de semana? É uma assembleia clandestina de si mesma. Só se ouvem as vozes do passado e o presente é confiscado pelo clero, o único que tem voz e vez.
Não é totalmente verdade. Conheço um clérigo, chamado Papa Francisco, que não falou aos jovens sem antes os ouvir e interrogar, de muitos modos. Não para os adular nem para receber o seu aplauso, mas para recolher as suas inquietações e lhes lançar novos desafios. Não quer jovens adormecidos, pasmados, entontecidos. Não viemos ao mundo para vegetar, para fazer da vida um sofá que nos adormeça. Viemos para deixar uma marca.
Quando se pergunta que fazer da Missa, não pode ser apenas, nem sobretudo, para lhe encontrar um ritual mais simpático, mais agradável, uma antologia de leituras mais encantatórias.
A pergunta real é outra. Em que Igreja precisamos de nos transformar, para celebrar uma Eucaristia que nos responsabilize e nos faça sair para a transformação da sociedade?
Importa criar uma circulação permanente entre o que se passa no mundo e na Missa. Uma Missa sem mundo em transfiguração só pode gerar um mundo sem missa e sem o seu desejo.


11.09.2016
in jornal "Público"

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

ANIVERSÁRIOS

Alerta-me o meu muito caro e velho amigo Zé Celestino, que o Vitorino Vieira Dias fez anos no passado dia 6 . 
Caro Vitorino, desculpa lá esta omissão. Vou recomendar ao Sousa Guedes para actualizar o ficheiro. Fica o meu abraço de parabéns e votos de muita saúde.
Forte Abraço

Nelson